Blog sobre gravidez, maternidade e família.

Perfil de comportamento – 4 anos

Posted by on set 4, 2012 in Destaques, Psicologia Infantil | Comentários

Perfil de comportamento – 4 anos

Chega então a fase da AFIRMAÇÃO! Uma criança de 4 anos está na idade de sair dos limites, seja pelo físico ou pelo “poder da mente”, seja na sedução e argumentação através de ações e palavras. É persuasiva, porque suas palavras transcendem muitos conhecimentos. Ela deixa de ser tão encantadora e dócil e avança agora para o movimento e a imaginação. Aumenta seu campo de ação, não somente pelo fato de correr, mas de saltar, pular, se pendurar, escalar e também passa a construir um mundo de fantasia e faz de conta incrível!

Nesta idade, é muito comum as crianças serem um pouco tagarelas e mandonas, e com muita, muita energia. Não se preocupam muito com o que os outros acham de si, e sim o que eles mesmos acham de si próprios. Podemos considerar uma fase de serem muitos “metidos” e de se gabarem. “Sou melhor que você! Lálálálá! Você não consegue.”

Conseguem ao mesmo tempo falar e comer, fazer coisas simultâneas! Até mesmo falar e vestir uma roupa, o que antes não conseguiam (ou se vestiam, ou falavam; ou comiam, ou falavam). Isso é devido ao seu melhor domínio em todo o equipamento motor, incluindo a voz. É capaz de atirar com a mão levantada para acima do ombro, e de usar tesouras; já consegue amarrar os sapatos, ficar de uma perna só e de ficar muito tempo sentado realizando uma atividade manual que lhe interessa. Mãos, braços, pernas e pés tornam-se independentes da totalidade do conjunto postural e, devido a isso, seus movimentos assumem agora uma harmonia, firmeza e naturalidade. Uma ótima fase para praticar esportes que envolvam movimentos motores (exemplo: dança para as meninas e caratê para os meninos).

Adoram falar, nesta fase! Falam com os outros, com si mesmos, adoram experimentar palavras novas/diferentes e as repetem. Também gostam de inventar palavras “doidas”, que elas mesmas aplicam um significado. O fluxo das suas perguntas atinge o máximo: os incessantes “como” e “por que” não representam apenas uma simples busca de conhecimento, mas para exercitar sua linguagem e ouvi-la. Um grande avanço em seu vocabulário!

A psicologia de uma criança 4 anos reside em sua intensa energia conjugada com uma organização mental de grande fluidez. Sua imaginação está em constante movimento. Como assim? Sua imaginação se desloca com muita facilidade, de maneira despreocupada. Exemplo: começa a desenhar uma tartaruga e, antes mesmo de ter finalizado, esta já virou um elefante ou um carro. E essa mesma fluidez faz dela um mentiroso, um ativo criador de álibis e um “personagem teatral”.

Gosta de exprimir as suas experiências numa fraseologia mais flexível e mais amadurecida. Já não é capaz de contentar-se com simples frases; quer dominar conjunções e advérbios. Serve-se destes com uma coragem louvável: “sabe que”, “acho que”, “pode ser”, “realmente”, “não mesmo”, “enorme”, “só”, “faz de conta que”, “ainda”, “ora”, etc. Tem tendência a repetir frases feitas referentes à cultura linguística em que vive (frases que escuta em casa ou na escola): “Estou muito cansado para arrumar meu quarto, um minutinho”. Às vezes – FIQUEM ALERTA, OS PAIS – relatam com fidelidade de detalhes o que aconteceu em casa, sem lhe escaparem as divergências familiares: “Minha mãe gasta dinheiro demais, a conta do cartão dela veio alta.”

Socialmente, gosta de andar em grupos de 3 ou 4 amigos, muitas vezes com separação entre meninos e meninas. Dão ordens, criam regras próprias e excluem os “intrusos”. Um adulto é sempre chamado para resolver conflitos — principalmente quando há negociações, má comportamentos, provocações e divisória.

A criança nesta idade experimenta um prazer significativo em ouvir explicações, principalmente no que diz repeito à morte. E também gosta de fazer caretas, imitar os adultos, com objetivo de aperfeiçoar a sua habilidade de leitura e fala.

Acorda geralmente bem disposta, por volta das 7-8 horas, ou um pouco mais tarde. Gosta de levantar e ir para o quarto dos pais para lhes dar bom dia e conversar. Já consegue se vestir sozinha, pedindo ajuda em alguns momentos, e é capaz de decidir que roupa quer usar. Em casa brinca sozinha durante uma ou duas horas, preferindo brincadeira de faz de conta e com falas teatrais. Gosta de blocos de montagem e os transforma em inúmeros objetos animados.

No item sono, adquiriu uma melhor noção de tempo e, por isso, à noite vai para cama com relativa facilidade. Pode ser ela própria a pedir para ir deitar. Dorme em torno das 7 ou 8 horas da noite, entretanto, gosta de ser acompanhada até pegar no sono. Adormece bem depressa. Algumas já conseguem acordar sozinha para ir ao banheiro no meio da noite, outras ainda usam fraldas ou a mãe acorda para levá-la até o banheiro.

Realmente, uma criança de 4 anos tem inúmeros talentos! Pode ser sossegada, barulhenta, calma, arrogante, meiga, imperiosa, insinuante, independente, social, atlética, artística, formal, caprichosa, cooperante, indiferente, curiosa, franca, verbosa, jovial, dogmática, boba e competidora. Não é de se estranhar que nessa idade as crianças tendam a sair dos limites, principalmente verbais, devido ao seu grande avanço nas relações interpessoais e de comunicação social. Apresentam tendência a crescer na área da consciência e desejam muito chegar aos 5 anos de idade. Inicia a noção de tempo: começa a entender que depois de terça vem quarta e assim sucessivamente, mas está extremamente interessada nos próximos aniversários — as festas de aniversário são um dos temas prediletos das suas conversas.

Quem tem filhos nessa idade? Como são? O que acham dessa fase? Compartilhem com a gente!

Até a próxima!

Beijos.

Comentários

  1. Talita Joly disse:

    Bom dia lilian, tenho um garotinho que fará quatro anos em janeiro, ele está muito agitado, provoca demais a irmã, nem parece mais o memso menino, a irmã tem dois anos e eles passam o dia se provocando, agritaria é cansativa, ele aprende rápido as coisas, é muito inteligente a moroso, mas extremanente explosivo, como posso lidar com essas situações, sem precisar dar umas palmadas no bumbum, pois ele ultrapassa demais os limites.

  2. Oi Talita, é um pouco delicado lhe responder o que deve ser feito sem saber de fato como é o dia-a-dia de sua família e principalmente de seus filhos. Mas, o que posso lhe afirmar de maneira bem superficial é que é bastante comum uma criança de 4 anos “provocar” sua/seu irmã/irmão mais novo devido ao ciúmes. A fase dos 4 anos refere-se à saída da criança bebê para uma criança um pouco mais “consciente” e “questionadora”. Para isso, elas iniciam a fase das pirraças, provocações, afirmação e autoridade (os mais novos acabam sofrendo mais e os pais não sabem muito bem como reagir).
    Uma dica: Sempre que for chamar a atenção dele, faça distante da irmã. Converse com ele a sós e explique o que ele tem feito de errado e quais as consequências de seus comportamentos. Além disso, elogie suas qualidades, bem como a vantagem de ser mais velho e menino (diferenciar menino de menina). Às vezes é necessário uma conversa franca e afetiva para que a criança possa se auto perceber. Uma outra dica: faça brincadeiras e jogos de meninos e não de meninas, talvez o pai possa ajudar nessa hora. Isso pode colaborar na expressão de sua virilidade e afirmação.

    Lembre-se que os pais são sempre a referência, logo se você bate ou grita com ele, ele fará o mesmo com as pessoas próximas, pois para toda criança pequena o que o adulto faz é visto como certo.

    Beijos,
    Lilian.

  3. Oi Eleonora,

    Desculpa a demora para responder, mas só vimos sua mensagem hoje, acho que não recebemos a notificação.

    Bom, a idade dos 4 anos é considerada a fase de afirmação da criança, tanto no lado emocional e social. A timidez/vergonha aparece quando a criança não sabe lidar sozinha em determinadas situações, e é uma característica da personalidade (mais acentuada em umas e em outras não tanto). Normalmente a timidez surge em situações em que a criança é observada, avaliada ou exposta em uma conversa com estranhos ou com adultos que tem pouca convivência. Parece que dentro de casa ele se sente mais seguro e protegido, não sendo tão “exigido” socialmente.

    Observe se tal comportamento ocorre em todas as situações: se é só na companhia de adultos, na escola e na presença de outras crianças. Se a criança se esconde e não fala com ninguém em ambiente diferentes, etc.

    O primeiro passo é ir devagar e não forçar nada, principalmente na frente dos adultos. Uma dica é fazer com ele participe mais de festas e locais públicos, bem como conviver mais com crianças e adultos da família. Ao transformar isso em rotina, a criança se sentirá mais segura e desinibida. Lembre-se: não é da noite para o dia, leva um tempinho, mas surtirá efeito se ele participar mais desses eventos e convívio social. E não precisa explicar ou reforçar na frente dos adultos o motivo dele agir assim. Deixe que ele se solte e os adultos interajam com ele naturalmente.

    Beijos,

    Lili.

  4. Cristina Amorim disse:

    Oi, Lilian. Gostei muito do seu artigo; ele parece ter sido escrito sobre meu filho. Cheguei aqui pocurando artigos sobre confrontos que ele provoca e como lidar com eles, e agora vejo esses episódios sob uma nova perspectiva. Você poderia indicar leituras sobre a fase da afirmação? Obrigada e parabéns.