1 comment

Feliz, feliz, feliz! Encontrei minha doula!! Aquela amiga preparada para acompanhar o meu trabalho de parto de perto, tranquilizando e dando apoio. Aquela que me ajudará a controlar a dor. Aquela que sabe o que realmente é a ocitocina e como nosso corpo responde ao nascimento de forma natural e respeitosa. Ao lado dela terei também a obstetriz com formação e com conhecimento suficiente para saber a hora de chamar o médico para assumir seu papel: a intervenção.

Dessa vez espero que só tenha intervenções realmente necessárias e por isso busco uma equipe profissional e muito qualificada, tanto de apoio, como de médicos e hospital.

O meu VBAC (Parto Vaginal após cesária) aconteceu muito rápido, no susto, sem que eu me preparasse e curtisse o momento. Ao mesmo tempo me fez ter um parto normal sem analgesia e por isso eu fiquei ainda mais forte e acreditando em mim.

O tipo de parto nada tem a ver com Ser Mãe, mas a meu ver tem a ver com Ser Mulher. Muitos de vocês não imaginam como eu me senti poderosa ao dar a luz, como eu me senti forte e como foi especial. É muito prazeroso ver o resultado do trabalho de parto ali nos seus braços.

Há mais ou menos 8 anos fui pra Bauru visitar a Fer e conheci a professora de natação infantil do filho dessa minha amiga. Ela era amiga pessoal dela e um doce e acompanhava a família desde a gestação da Fer! Sabe uma pessoa que tem brilho próprio, um sorriso acolhedor, que é calma e amiga? Essa era a Angelina Shintati.

Essa minha amiga foi madrinha de casamento dela, mas logo depois ela e o marido se mudaram para São Paulo e eu nunca mais a vi (nas minhas poucas idas a Bauru). No mês passado essa minha amiga, também grávida depois de 13 anos, passou uns dias aqui em casa e logo que eu comentei com ela que decidimos mesmo ter o parto em São Paulo (como contei aqui no post das 14 semanas) ela me disse que tinha uma doula para me indicar. Quando ela me falou que era a Angelina, eu tive certeza de que queria acompanhar com ela.

Adicionei no facebook, mandei mensagem e ela me respondeu de braços abertos e cheia de amor. Eu não precisava de mais nada na minha fase de decisão de médico, onde parir, como fazer!

Ela é fisioterapeuta e sua formação de doula foi pelo GAMA (Grupo de Apoio à Maternidade Ativa), o mais respeitado deles, da Ana Cristina Duarte.

A Doula é uma amiga + uma profissional capacitada, para dar suporte físico, mental e emocional à gestante! Nós Doulas, propomos respirações, posturas, relaxamentos, massagens, enfim, todo e qualquer procedimento não farmacológico e que respeite a mulher, a natureza, o protagonismo do seu próprio parto! O que o médico faz nós não fazemos e vice-versa! Cada um tem o seu papel durante um trabalho de parto! Amo comparar o parto a uma orquestra, onde a “parideira” é a regente!!! A mulher dá o tom! A mulher conduz! A mulher brilha!!! E dessa forma, vamos mudando o mundo, porque para mudá-lo é necessário que a forma de nascer seja amorosa, delicada, suave e cheia de ocitocina!!! (Angelina)

Como falei no post citado acima (14 semanas), vou me preparar e fazer fisioterapia pré-parto para tentar evitar uma laceração – já que optei por não ter a episiotomia dessa vez – e pós-parto para fortalecer e voltar a musculatura do períneo.  A médica humanizada que eu consultei (e contei aqui no post das 16 semanas) foi bem realista e me disse que há grandes chances de lacerar onde eu tive a episiotomia, então preciso me preparar muito bem para esse parto. Acho que a fisioterapia vou fazer em Campinas mesmo porque fica fora de mão ir pra SP toda semana. Já pedi algumas indicações para amigas!

Ainda não fui à consulta pessoalmente com a Angelina (e meus planos eram de escrever esse post só depois de ir) mas posso dizer que ela já tem me ajudado bastante. Assim que conversamos ela me mandou um texto sobre a importância do Plano de Parto, e temos conversado por mensagem de texto e voz.

Como o meu marido não conseguiu me acompanhar na consulta com a Catia Chuba (a médica com equipe humanizada top que eu fui), ele me encheu de perguntas depois, mas quando conversei com a Angelina e contei nossos medos e dúvidas, ela me explicou várias coisas que eu ainda não conhecia sobre o acompanhamento do trabalho de parto e o Partograma, me deixando bem mais tranquila.

Eu tive tempo de contar pra ela com detalhes sobre os meus partos, o “meu renascimento do parto” e ela leu meus relatos.  Como disse o meu Obstetra das 14 semanas, ela é uma amiga do peito, que me conhece e estará por perto para me apoiar e acolher. Tenho certeza que esse acompanhamento de perto fará muita diferença.

Prometo dividir com vocês cada descoberta dessa. É muito bom se informar e EMPODERAR!

Bjos Bjossss

Aninha

 Imagem: Doula by Shutterstock

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (5), Clara (3) e Alice (1). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.