Fonte: Bebê Gravidez

Gerar um filho é uma dádiva, mas só quem “carrega” sabe o quanto pesa, literalmente.

O último trimestre de gravidez é o período em que mais ganhamos peso… o bebê cresce, às vezes encaixa, e o incômodo tende a aumentar. O espaço diminui, o bebê chuta as costelas da mamãe, pressiona a bexiga e o osso pélvico e por aí vai…ou não. hehe

Pra completar esse quadro, o inchaço chega (se já não chegou) com força total. (Uma amiga fez drenagem linfática desde os 5 meses de gestação pois inchava muitooo mesmo…. ah! Algumas vezes por semana.)

O inchaço (chamado pelos médicos de edema) acontece principalmente nos membros inferiores, e sentimos a perna pesada. Os pés não cabem mais nos sapatos e até nas sandálias (calma, você vai voltar ao normal um pouco depois do parto). As mãos também incham e os anéis viram pingentes. Rsrs

Edema é normal

Durante a gestação o volume de sangue circulante é bem maior e nem sempre o organismo “dá conta” desse sangue todo.

O útero maior pressiona as veias pélvicas e a veia cava (uma grande veia na parte direita do seu corpo que recebe sangue dos membros inferiores), desacelerando a circulação e fazendo com o que o sangue se acumule. (BabyCenter)

Principais causas do inchaço excessivo:

  • Ingestão de alto teor de sal (sódio)
  • Ganho excessivo de peso
  • Falta de atividade física
  • Ficar muito tempo em pé ou até mesmo sentada
  • Excesso de hormônios como a progesterona (principalmente em gravidez por métodos artificiais)
  • Calor
Como Minimizar:
  • Reduzir o consumo de sal (principalmente salgadinhos, embutidos, azeitona e temperos)
  • Reduzir excessos de açúcar
  • Praticar atividades físicas como natação, hidroginástica, caminhada (pois ativa a circulação)
  • Uso de meias elásticas de compressão indicada pelo médico
  • Deitar-se sobre o lado esquerdo do corpo
  • Colocar as pernas na horizontal o máximo de tempo possível
  • Ingerir bastante água (sim! Quanto mais líquido é ingerido, menor é a retenção)
  • Fazer drenagem linfática com profissional qualificado a trabalhar com gestantes
Guia do Bebê

 

A Revista Crescer deu mais uma dica: Escalda-pés contra o inchaço

A podóloga Tatiany Kermesse dá uma receita simples de escalda-pés: esquente água suficiente para encher uma bacia, coloque duas tampinhas de álcool e um punhado de sal grosso. Depois do escalda-pés, uma hidratação profunda também vai bem. Passe um creme específico para a área (menos entre os dedos) e coloque uma meia de algodão por meia hora. O resultado é um pé macio e cheiroso. Para quem quiser um cuidado completo, esfoliantes e desodorantes também são uma boa dica. Siga em frente!

Minha experiência

No final da gestação além dos pés e tornozelos inchados (principalmente ao final do dia, depois de trabalhar muito em pé) eu tive formigamento nas mãos (quando elas ficavam para baixo), e isso tudo ocorre por causa do edema e falta de circulação. Após o parto tive muito inchaço nos pés, principalmente nos primeiros 15 dias (período em que também eliminamos o sangue – tipo uma menstruação contínua. (P. Cesárea))

Após o parto o inchaço aumenta, pois há uma redistribuição do líquido, pois o sangue compartilhado com a placenta volta para a mãe. (Fonte). Além disso, anestésicos e remédios para dor administrados no parto “agravam esse quadro”.

Apesar de na maioria das vezes o inchaço não representar perigo, os médicos sempre estão atentos a sinais que podem indicar problemas: inchaço maior do que o normal, ganho de peso muito intenso – mais de um quilo por semana –, limitação no movimento dos dedos das mãos, formigamento dos braços e dor de cabeça na região da nuca. Nesse caso, a gestante pode estar com algum problema renal ou sofrendo com pressão alta, que pode levar à pré-eclampsia. (Portal São Francisco)

 Fotos:  Bebê Gravidez | Acervo Pessoal | Guia do Bebê

Bjos

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade.
Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.