2 comments
transporte em santiago

A primeira vez em uma cidade é sempre a primeira vez: mapa na mão (ou no celular) pra andar pelas ruas, a busca por metrô, informações sobre taxi, Uber e afins. Não fiz uma pesquisa muito extensa antes de ir para o Chile, mas recebi muitas dicas e contatos de transporte em Santiago, e vou compartilhar com vocês:

Traslado Aeroporto – Centro de Santiago

Nosso host (do apartamento) indicou fechar o transporte do aeroporto para a cidade com a TransVip para evitar dor de cabeça com os taxis (falarei abaixo sobre eles).

Fiz alguns orçamentos com motoristas, mas de acordo com o preço do site da TransVip ainda assim valia a pena com eles. O que eles não falam no site é que: 1) o formulário não funciona e não autentica com nenhum celular, mesmo do Chile; então é impossível fazer a reserva antecipada com pagamento no cartão com desconto porque o e-mail também volta. (Não tentei pelo telefone); 2) No aeroporto a moça não me vendeu o taxi executivo, e para não esperar o transfer compartilhado, o transfer privado saiu mais caro do que eu esperava (26.400 cada trecho, com desconto para fechar ida e volta). A vantagem é que se estiver em até 5 pessoas é o mesmo valor.

Transporte público

O transporte público de Santiago (principalmente o metrô) foi muito bem indicado. Disseram que era limpo, sinalizado e bem tranquilo. Pois bem, depois de 2 pedidos de uber cancelados (coloquei o lugar errado kkk), resolvemos ir andando até achar um metrô.
Primeiro preciso falar que: meu marido não é muito fã de metrô. Assim que encontramos um, entramos. Era 17-18h (e não se compara ao metrô de São Paulo esse horário), mas a verdade é que conforme descemos as escadas e fomos sentindo o bafo quente da estação, que estava bem movimentada por conta do horário, desistimos e resolvemos continuar nosso trajeto a pé.

 Turistando a pé

Foi a melhor escolha que fizemos, pois eu ia perder a vista da Plaza a la Aviación, no caminho que fizemos do Restaurante Giratório para o Pátio Bellavista. Nesse trecho percorremos cerca de 4 dos 15Km do dia.

Taxi, Uber e Cabify
Taxi em Santiago

Não deveríamos generalizar, mas a grande verdade é que é sabido entre turistas de Santiago que os taxistas muitas vezes roubam os passageiros. Blogs especializados alertam, tem histórias bizarras no Trip Advisor e Melhores Destinos. Basta dar um Google “golpe taxi santiago” ou “Cambiazo” para saber que eles tem adulterador de taxímetro, deixam a luz baixa e trocam a nota que você deu por uma mais baixa, alegando que você não pagou o suficiente.

Minha irmã pegou um taxi na porta do Costanera com destino ao apartamento (do lado do Pátio Bellavista). Cada pisada no acelerador, o taxímetro corria. Eles já haviam feito o trajeto antes e dessa vez estava 4x o valor que deveria. Quando eles viram pediram pra descer no meio do caminho cheio de sacolas e o taxista disse ser bandeira 2. Como ela disse, nem se fosse bandeira 5 daria um valor daquele.

Uber

Sabendo isso, decidimos utilizar somente Uber. Pedimos no aplicativo e já cobrava direto no cartão. Aliás, não falei pra vocês, mas não trocamos NEM UM REAL em Dólar ou pesos. kkkkk Eu tinha 200 reais na carteira e foi com ele que paguei o motorista para a vinícola Santa Rita. O resto, só com o cartão mesmo. Tem a cobrança do IOF, mas nos sentimos mais seguros e confortáveis assim.

As corridas de Uber nos custaram entre 20 e 25 reais cada, em trajetos de 10-15 minutos. Do apartamento para o Mestizo, ou para o Como Agua para Chocolate, Boragó ou na volta dos restaurantes. Somente um deles foi ruim, demos nota 1. Correu muito e  passou 2 sinais vermelhos.

Cabify

Nosso motorista/guia para a vinícola sugeriu que da próxima vez utilizássemos o Cabify. Eles são mais rígidos para aceitar motoristas, precisa ter carteira profissional, a verificação de condições de carro e etc são melhores.

Tour para o Cajón del Maipo

Uma amiga me indicou a Bossa Turismo e fechamos com eles o passeio para o Embalse El Yeso! Foi ótimo, custou 25.000 pesos para cada um (Van compartilhada), e além de aceitar cartão na agência (não fomos até lá), eles aceitam transferência no Itaú e no banco do Brasil! Ficou R$270,00 o casal.

Contato Whatsapp: Nicholas Bossa Turismo +56 9 9445-2131

(Nosso motorista foi o “Gordinho Gostoso”, hahaha, acho que ele faz isso pra ninguém esquecer dele. Hernan Gonçalves, eu acho)

Guias e Motoristas para outros passeios e transporte em Santiago

Como eu falei, recebi vários contatos de amigas e seguidoras. Como os taxistas não são muito confiáveis existe essa troca grande de indicações de motoristas e guias para seu transporte em Santiago, então vou colocar abaixo todos os que me foram passados, com algumas observações. (P.S. em nenhum momento fizemos leilão de preço, mas fiz questão de pedir alguns orçamentos pois a variação era grande, entre 40.000 e 70.000 pesos pro mesmo trajeto).

Miguel – ofereceu o melhor preço (2 pessoas) para nos levar para a vinícola Santa Rita (escolhi um tour específico e falarei em outro post). Pagamento em dinheiro. Whatsapp: +56 9 9425-5075 / Instagram: @miguel.aranda19

Depois do tour, o Miguel nos levou para conhecer a loja de outra vinícola (Terramater) e comprar um azeite que foi 3x premiado como o melhor do Mundo!

Romeu – ofereceu o segundo melhor preço para a vinícola. Pagamento também só em dinheiro. Whatsapp: +56 9 7539-1819

Ignacio  – Foi quem levou a Moki (minha irmã) para o Valle Nevado (ida e volta) e aeroporto – Não estava disponível – Whatsapp: +56 9 6158-4070

Manuel – Não cheguei a orçar, indicação do Ignacio. Whatsapp: +56 9 6655-5926

Felipe Azua – O passeio tinha um preço mais alto que o do Miguel, mas o transfer para o aeroporto saía 18.000 CLP cada trecho, de 1 a 4 passageiros. Preço super competitivo com a TransVip.

Conclusão: quer economizar com transporte em Santiago e não rasgar dinheiro? Faça orçamentos com indicações. 😉

Espero que tenham gostado das dicas e que seja útil!!

Bjsssss

Aninha

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.